Há uma frieza,
Um embotamento,
Um descolorir
Naquilo que é tradicional,
Convencional, regular e permitido,
Que a alma implora um libertar;
Deseja intensamente
Um frio na barriga,
Quer do coração um acelerar,
Sem levar em conta as consequências,
Pois de que vale a vida,
Sem um desatino?
De que vale a vida
Em apreciar o doce com os olhos
Sem que o dissolva no próprio salivar?
Anúncios

Olá! Obrigado pela visita.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: