Independência

Há tanta gente
Dizendo-se independente,
No entanto carregam em si
Um inocente engano
São tão misturadas
Quanto as águas salgadas do oceano,
Enquanto que independente mesmo
É a água da lagoa,
Beijada sempre pelo Sol e pela luz do luar,
Sem pressa, dona de si
Não se põe a correr como correm
As águas do rio desesperadamente
Em direção ao mar,
No entanto, vive plantada
Em um mesmo lugar,
Condenada a receber
A visita dos pássaros e do vento
E deles saber histórias do mito,
Do grandioso, profundo

E poético  mar…

Anúncios

Olá! Obrigado pela visita.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: